Oferta!

Alain Brumont Petit Torus Madiran 2014

Ao mesmo tempo genuíno e acessível. Uma bela maneira de conhecer o Madiran

Rubi intenso. Revela no primeiro impacto deliciosa expressão frutada (cerejas, ameixa) e especiarias picantes, de fundo se percebe notas minerais. Bela estrutura gustativa, com taninos refinados apoiados por acidez gulosa.

Editor Onivino

Fora de estoque

Características

TIPO DE VINHO
TINTO
REGIÃO & PAÍS
MADIRAN FRANÇA
PRODUTOR
ALAIN BRUMONT
UVA
TANNAT
SAFRA
2014

Sobre o produto

“Alain Brumont tem uma ambição: que as suas ações como viticultor se reflitam nos seus vinhos. Um explorador incansável dos terroirs do Gascon, promotor das castas locais, um jardineiro que cuida das suas vinhas com amor, um enólogo que respeita as raízes culturais, ele é o principal produtor de vinho do sudoeste da França, nas denominações Madiran e Parenchec du Vic Bilh e na Côtes de Gascogne. Ele alcançou sua ambição: Bouscassé, Montus e Torus se tornaram ícones no mundo dos vinhos finos, e em cada safra é uma expressão de seu sonho. " Pierre Casamayor

Alain Brumont comprou o Château Montus em 1980, com base na reputação do terroir no século XVIII. Em 1985 lança a primeira safra de Montus Prestige. O primeiro Madiran 100% Tannat e envelhecido em barricas novas; é apelidado de "Petrus de Madiran" alguns membros da crítica internacionais. Graças a esta cuvée Prestige, uma revolução qualitativa ocorre em Madiran, e a denominação é impulsionada para as fileiras dos melhores da França. Madiran recupera todo o seu esplendor do século XIX.

Em 1991, Alain Brumont é reconhecido com o título de Melhor Viticultor Francês dos anos 1980 pela revista francesa "Gault-Millau", e vários artigos na imprensa o colocam entre os maiores enólogos do mundo.

Fermentação em cubas de aço inox. Amadurecimento de 12 meses em tanques de cimento e inox.

50% Tannat, 30% Cabernet Sauvignon, 20% Cabernet Franc.

Platô ligeiramente inclinado argilo-calcário, com forte presença de pedra calcária. Mesoclima regulado pelo Oceano Atlântico e pelos Pirineus. Baixa pluviosidade no verão e no outono, mas suficiente para não gerar stress hídrico. Viticultura é orgânica com adubo animal e bagaços de uvas. E fundamenta a intervenções fitossanitárias na “lutte raisonnée” (agricultura integrada).