Oferta!

Dieci Terre Primitivo di Manduria 2018

4.7 Vivino para a safra 2018, uma ótima indicação do que está esperando por você – Editor Onivino

Um excelente Primitivo di Manduria, extremamente frutado, uma compota de frutas negras e vermelhas, um pouco de tabaco e cacau, simplesmente maravilhoso!

Fora de estoque

Características

TIPO DE VINHO
TINTO
REGIÃO & PAÍS
PUGLIA ITÁLIA
PRODUTOR
DIECI TERRE
UVA
PRIMITIVO
SAFRA
2018
TEOR ALCÓOLICO
14%
VOLUME
750ML
MATURAÇÃO
ESTÁGIO DE 18 MESES EM BARRICAS DE CARVALHO FRANCÊS

HARMONIZAÇÃO
BURRATA, CARNE DE VACA, CORDEIRO

Sobre o produto

A produção dessa vinícola familiar iniciou-se na Toscana, no centro da Itália e também o centro do vinho italiano. Depois a produção se deu mais ao sul, mais precisamente na Púglia.

Família tradicional que rege a técnica moderna respeitando a tradição de cada região. Isso se reflete nos vinhos que abusam da palavra francesa Terroir, ou seja, é um vinho que expressa mito bem toda qualidade do lugar, das uvas locais e dos diferentes microclimas.

Dieci Terre é uma realidade em constante evolução e já está em outras regiões italianas seguindo a mesma filosofia de respeitar o vinho, a história e o Terroir de cada lugar.

Vinho

Aqui o nome da uva é Primitivo e vem da melhor zona para sua produção, Manduria. Parece complicado, mas não é, e a região é Púglia, a sub-região é Manduria e a uva é Primitivo. Como vêm de uma região muito quente, no sul da Itália, os vinhos dessa região são encorpados e cheios de força, um pouco mais alcóolicos que o normal e muito potentes. Esses vinhos não são pensados para envelhecer, mas o fazem muito bem e no caso desse Primitivo vai ficar bem ainda por dez anos sem nenhum problema. Tem uma graduação alcóolica de 14% que aumenta a sensação de corpo que ainda é potencializada pela sua passagem em barricas por um período de dezoito meses. Vinho encorpado e de muita estrutura.

Nota de prova

A cor é um rubi intenso, muito profundo e escuro. No nariz é arrebatador nos aromas de frutas negras como amora, potente nas especiarias e o anis, cravo, fumo e alcaçuz saltam da taça. Toda essa força pode ser degustada um pouco mais frio que o tradicional, em torno de 14°C, e então as notas da sua longa passagem em barricas faz com que o vinho fique mais macio. Os sabores são intensos e de uma persistência duradoura e tem um final muito longo o que é perfeito para a gastronomia.

Harmonização

Queijos de massa dura bem curado como o parmesão ficam muito bom para esse vinho. Massas com ragu de carne ou ragu de cordeiro também harmonizam muito bem. Falando em cordeiro, um belo assado da paleta vai ficar especial com esse vinho.