Oferta!

El Principal Kine Verdejo 2018

“O enólogo Gonzalo Guzmán importou de Espanha as plantas Verdejo que plantou na vinha El Principal, em Pirque, em 2010. Esta vindima mostra um carácter muito varietal da vinha, os aromas a casca de amêndoa, alguma laranja e frutas seco num vinho com boa base de taninos e acidez numa textura redonda e amiga.”

93 Pts Descorchados

“Um branco floral que mostra bastante camomila e caráter floral, além de madressilva e jasmim. De corpo médio com textura bastante oleosa, mas alguma acidez realmente refrescante que lhe confere equilíbrio e estrutura. Beba agora.”

92 Pts James Suckling

“O primeiro Verdejo do Chile é o Kiñe Verdejo 2018, que já provei desde a safra de 2014. Neste ano mais fresco, as uvas foram colhidas mais tarde, com boa maturação e acidez. Fermentou em barricas usadas com leveduras indígenas, sendo que 80% do volume estagiou em barricas de carvalho francês de 500 litros com as borras durante 12 meses e o restante estagiou em ovos de concreto. O carvalho não é o protagonista, e as notas varietais do Verdejo de grama recém-cortada, louro e marmelo são complementadas por alguns aromas de pimenta branca. Na boca é fresco e tem volume, sabores limpos e um final longo e seco.””

90 Pts Robert Parker

Em estoque

UNIDADE 20% OFF R$ 499,00
R$399,00

Características

TIPO DE VINHO
BRANCO
REGIÃO & PAÍS
MAIPO VALLEY CHILE
PRODUTOR
EL PRINCIPAL
UVA
VERDEJO
SAFRA
2018

Sobre o produto

Kiñe representa o espírito visionário e inovador de Viña El Principal. Lançado em 2014, possivelmente é um dos primeiros vinhos do Novo Mundo criado a partir da variedade branca Verdejo, originária da região de Rueda, na Espanha.

Seu nome vem da palavra usada para denotar o número um em Mapudungún, a língua original do povo indígena Mapuche. Kiñe significa "primeiro" ou "único", características que expressam plenamente a natureza excepcional deste vinho criado a partir de uma variedade pioneira no Chile.

O nome,“El Principal”, vem do título do Cacique Picunche Andetelmo, o senhor das terras que hoje abrigam a vinicola, no sopé da Cordilheira dos Andes no Vale dos Andes Maipo. Seu caráter visionário e pacífico lhe rendeu o respeito dos conquistadores espanhóis, dando origem a uma história de abertura e troca que perdura até hoje.

A vinícola foi fundada em 1993 pelos sócios Jorge Fontaine Aldunate, proprietário da Hacienda El Principal, e Jean Paul Valette, enólogo francês e ex-proprietário do famoso Premier Grand Cru Classé Château Pavie em Saint-Émilion.

Amarelo-palha brilhante. Olfato intenso de citrinos permeados por notas vegetais (capim, grama cortada) seguido por sutil baunilha sobre um fundo mineral. Na boca, bom corpo, fresco, correto toque de madeira. Final longo.

Vinhedo em solo aluvial franco arenoso, localizado aos pés da Cordilheira dos Andes, a 790 mts. O clima é mediterrâneo subúmido, com grande influência da Cordilheira dos Andes.

Vinificação com a mínima intervenção possível. Fermentação ocorreu em barricas de carvalho com leveduras selvagens por 20 dias. Bâtonnage por 6 meses. E o estágio é de 12 meses, 80% barricas de carvalho francês (500 litros) e 20% concreto.

O objetivo principal era produzir uma linha de vinhos da mais alta qualidade que refletisse tanto o espírito e a tipicidade do terroir chileno, quanto a tradição e experiência da família Valette na elaboração de vinhos finos. O terroir El Principal, localizado no sopé da Cordilheira dos Andes no Vale Maipo Andes (D.O Maipo Andes) foi o lugar perfeito para seu projeto; A sua combinação particular de clima, solos e altitude permitiu produzir vinhos com carácter, sentido de origem e qualidade extraordinária.

Os parceiros selecionaram 54 hectares da propriedade para o plantio das variedades Cabernet Sauvignon e Carmenere. Dez anos depois, a primeira safra de “El Principal” (1999), o icônico blend da vinícola, foi lançada com sucesso no mercado, sendo reconhecida internacionalmente como um dos vinhos Ultra Premium do Chile e confirmando o potencial do Chile como denominação de origem de vinhos de luxo.

Em 2005, o empresário e agente marítimo alemão Jochen Döhle comprou todo o vinhedo e depois se associou à renomada família chilena Said Handal, que adquiriu 50 por cento de sua propriedade em 2013.

No final de 2018, a família Said Handal decidiu adquirir todas as operações e assim implementar um plano de crescimento que permitisse à vinha entrar numa nova fase de desenvolvimento vitícola, enológico e comercial, consolidando o trabalho de excelência na produção e comercialização de vinhos feitos pela mão de Döhle.