Oferta!

Fattoria dei Barbi Brunello di Montalcino 2013

Um vinho que ajudou a construir a imagem de Brunello

“O Brunello di Montalcino 2013 exibe uma apresentação bem equilibrada com camadas de frutas escuras que são embelezadas por especiarias de carvalho bem geridas e fumaça saborosa. Esta safra é particularmente elegante e contida, com uma intensidade esculpida que se acumula lentamente no copo à medida que o vinho ganha mais volume e espaço para respirar. O final é longo, sedoso e deve resistir ao teste do tempo.”

93 Pts Robert Parker

Fora de estoque

Características

TIPO DE VINHO
TINTO
REGIÃO & PAÍS
TOSCANA ITÁLIA
PRODUTOR
BARBI
UVA
SANGIOVESE GROSSO
SAFRA
2013

Sobre o produto

É produzido exclusivamente desde 1890 com Sangiovese de vinhedos da propriedade localizada no distrito de Montalcino e registrada para a produção de Brunello di Montalcino. Em solo de marga e calcário alberese a uma altitude de 300-50m e uma idade média dos vinhedos de 15-20 anos.

Os Colombini eram uma das famílias nobres de Siena, ativas no governo de Siena desde o início do século 1000. O primeiro membro a ser citado nas crônicas foi Tignoso Colombino, depois dele seus filhos foram chamados de Colombini e desde então o nome da família permaneceu. Em 1200, foi permitido à família ter um brasão com as quatro pombinhas pintadas em um campo azul e separadas por uma cruz dourada. Com o passar dos anos esta cruz desapareceu.

No século XIV, a família passou de mercadores de lã a bancários, com sede em Siena e várias filiais na Itália e em Marselha.

Mais tarde, eles obtiveram uma parte do Castelo de San Giovanni d’Asso e do Castelo de Poggio alle Mura em 1352, uma data muito importante porque estabelece quando os Colombini chegaram a Montalcino.

No século XIV ocorreu também o caso de Giovanni Colombini, membro do governo de Siena e banqueiro. Iluminado por um chamado religioso, decidiu tornar-se monge, doando todos os seus bens materiais para a Igreja. Até sua esposa Biagia e filhos foram convencidos a votar e viver felizes na pobreza. A Igreja o beatificou após sua morte.

As doações dos ancestrais causaram décadas de rigor e austeridade à família, até meados do século XVI, quando decidiram mudar politicamente e apoiar os florentinos. Uma escolha muito acertada porque Cosimo dei Medici, tendo conquistado Siena, restaurou suas fortunas e propriedades. Cosimo, Lucrezio, Ascanio e Giovanni Colombini estavam entre os cem cidadãos de Siena escolhidos para dirigir o governo da cidade. Suas propriedades se expandiram para o Monte Amiata, onde alguns dos membros se estabeleceram.

No início do século XIX a família morava em Carmignano perto de Lucca. Eles continuaram a manter um forte relacionamento com Siena. A fim de gerir pequenas propriedades agrícolas do Bispo de Lucca, Paolo Colombini mudou-se para Montalcino. Foi uma escolha de sorte, iniciar um novo capítulo na história da família, que dura até hoje. Seu filho, Pio Colombini, apesar de sua profissão médica, produziu as primeiras garrafas de Brunello. Casou-se com Elina Padelletti, de uma antiga e nobre família de Montalcino, que aumentou a posse com a villa Podernovi, onde hoje se encontram a adega.

Seu filho Giovanni Colombini, nascido em 1906, foi um inovador, um dos pioneiros da viticultura moderna. A abertura da primeira adega pública italiana na Fortaleza de Montalcino, em 1936, foi ideia sua. A mesma Fortaleza foi restaurada durante seus anos como Prefeito da cidade.

Foi ele quem iniciou a primeira venda por correspondência de vinhos toscanos e também as primeiras vendas no exterior em muitos mercados. Foi também inovador na forma de vender centenas de milhares de garrafas por um preço altíssimo, mudando o futuro de um vinho, de uma elite restrita de consumidores para uma categoria muito mais ampla.

A abertura da adega Fattoria dei Barbi aos visitantes que aconteceu nos anos cinquenta é um dos primeiros passos para o Enoturismo. E após a morte de Giovanni Colombini em 1976, a Fattoria dei Barbi foi administrada primeiro por sua filha Francesca e depois por seu sobrinho Stefano. Eles desenvolveram e expandiram a propriedade, tornando-a o que é possível ver hoje.

Vermelho rubi brilhante e intenso. Ao nariz, os aromas de frutas vermelhas frescas, cereja, medronheiro estão bem integrados e harmonizados com notas picantes de anis estrelado, tabaco, erva-doce selvagem. Em boca é elegante e bem equilibrado. A boa acidez e sabor conferem uma agradável persistência e longa degustação. Os traços de fruta harmonizam-se com as notas minerais.

Harmonizações ideais para pratos importantes, carnes vermelhas assadas ou grelhadas, caça, veado, javali estufado. Excelente com queijos maduros.

Seguiu-se a fermentação alcoólica regular. Após a trasfega e a fermentação malolática o vinho foi envelhecido em barricas de carvalho de pequeno e médio porte (225l e 15 hl) nos primeiros meses. Posteriormente completou o envelhecimento em toneis de carvalho de grande porte, por um período total de dois anos, sendo posteriormente engarrafado pelo menos 4 meses antes do lançamento.